Lições de Mandela para hoje

Eu tenho uma profunda admiração pela figura de Nelson Mandela e no último domingo tive o privilégio de conhecer a prisão em que ele esteve preso por 18 anos, em Robben Island. A visita, posso afirmar, foi um momento de grande importância na minha história e me inspirou uma reflexão que gostaria de compartilhar, especialmente considerando os fatos que vêm ocorrendo no Brasil e no mundo.

O que Mandela diria sobre o jovem que matou nove negros em Charleston nos Estados Unidos (ódio racial)? ou sobre a pessoa que apedrejou a criança do candomblé no Rio (ódio religioso)? ou o militar que afrontou os haitianos em São Paulo (ódio xenófobo)? ou os deputados que aprovaram a redução da maioridade penal na Comissão (ódio interclasses)? ou ainda as inúmeras ações e crimes de ódio machista e de gênero de todos os dias?

Creio que Mandela nos diria que tudo isso é resultado de uma superestrutura que, ao operar, faz vítimas os agredidos, mas também os agressores.

Mandela não odiava os brancos racistas, odiava o racismo. Sobre isso, ainda na prisão, ele disse “Eu lutei contra a dominação branca, e eu lutei contra a dominação negra. Eu nutri o ideal de uma sociedade democrática e livre, na qual todas as pessoas vivem juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal que espero viver para alcançar. Mas, se for preciso, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer.”

No pronunciamento de hoje sobre a tragédia de Charleston, Obama citou Martin Luther King Jr. para nos chamar a atenção sobre a importância de nos “preocuparmos com o sistema, o estilo de vida, a filosofia que produz os assassinos”.

Na maioria das vezes as pessoas têm atitudes irrefletidas e acabam servindo de correia de transmissão para todo um conjunto de ideias que, ao fim e ao cabo, desaguam no mar de ódio. No gatilho de Charleston existe a impressão digital de milhares, milhões…

Por isso é que os atuais embates no Congresso Nacional, por exemplo, já começam perdidos. Não adianta odiar (mais uma vez o ódio) toda sorte de Bolsonaros e as bancadas da bíblia e da bala, é preciso refletirmos, antes, sobre as condições de possibilidade que operam para que essas ideias floresçam ou, melhor, para que continuem vivas por tanto tempo.

A boa notícia é que se temos a capacidade de identificar as ideias que estão na raiz de tanto ódio, podemos também combatê-las (dualidade da estrutura). Mandela deu esperanças ao mundo de que a mudança é possível e nos ensinou uma lição valiosa: “ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, ou por sua origem, ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se elas aprendem a odiar, podem ser ensinadas a amar.”

IMG_3654
Prisão de Robben Island
IMG_3622
Imagens do Apartheid. Bancos públicos apenas para brancos.
IMG_3674
Cela onde Mandela ficou preso uma parte de sua pena (18 anos).
IMG_3634
Visão da Cidade do Cabo a partir de Robben Island
Anúncios

2 Comments Add yours

  1. Cacá diz:

    Vamos educar nossas crianças e dizer-lhes para que não façam distinção de classe ao escolherem vossas vítimas, ricas ou pobres são alvos em potencial. Ensinaremos a elas para que quando suas vítimas reagirem, atirarem no pé, braços ou pernas mas por favor, não na cabeça. Não esfaqueiem apenas cortem superficialmente a epiderme. Das careiras levem apenas o dinheiro, tirar novos documentos revolta a vítima. Não esculachar, dar coronhadas ou botar o revolver em suas boca mas apenas seja firme: “hay que endurecer, pero sin perder la ternura jamás”.
    Falta educação aos nossos pequenos bandidos!

Obrigado pelo seu comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s