O mau cotidiano

Em uma certa praça, de uma certa cidade, um velho funcionário público passava os seus dias a vigiar um certo banco sem deixar que ninguém ali se sentasse. Ele não sabia muito bem o porquê dessa missão e sequer se lembrava como ou quando havia sido designado como guarda de banco de praça. As pessoas achavam aquilo estranho, mas aquele senhor já fazia parte da paisagem e todos se acostumaram com a situação. Alguns anos mais tarde o velho morreu e o sábio ancião da cidade revelou o mistério: o banco havia sido pintado há décadas e o senhor passou todos esses anos cuidando para que ninguém se sujasse na tinta fresca.

Essa anedota (autor desconhecido) ilustra a forma como coisas estranhas podem acontecer na administração pública. Por todos os lados e em todos os níveis de governo é possível encontrar pessoas que não sabem ao certo o quê estão fazendo, qual o seu papel, sua contribuição para o todo. Existem também chefes sem visão e ordens sem sentido. Há ainda rotinas que deixam de fazer sentido com a mudança de contexto, mas que continuam a ser executadas. Tudo isso concorre para gerar ineficiência, ineficácia e falta de efetividade. Algumas vezes os resultados podem ser cômicos, senão bizarros.

Em Barroso, por coincidência na Praça de Santana, uma situação igualmente anedotária está fazendo aniversário de 10 anos este ano. Em 2004 houve uma mudança na regra do estacionamento e os carros, que até aquele ano paravam em paralelo, passaram a estacionar em 45º. A mudança objetivava ampliar no número de vagas e foi exatamente isso que aconteceu. Para operacionalizar essa modificação no trânsito, foram pintadas faixas no chão (sinalização horizontal), mas o que os dirigentes municipais se esqueceram de fazer em uma década foi adaptar as placas (sinalização vertical) à nova realidade. Com a regra implementada pela metade, o número de vagas de taxi na praça dobrou da noite para o dia, sem que o número de taxistas tivesse aumentado. O resultado é um vazio permanente no lugar, com vagas de estacionamento existentes, mas injustificadamente proibidas. Por ironia, aquele é precisamente o lugar mais concorrido da cidade para estacionamento, pois fica de frente a toda rede bancária do município.

_MG_8759

Situações como essa geram desconforto para a população e causam prejuízos, mas entram para o cotidiano e fazem com que as pessoas se acostumem. O caso retratado é apenas um exemplo do que acontece rotineiramente em todos os cantos da cidade e do país. Quando uma praça vai aos poucos perdendo sua iluminação, quando a violência vai tomando conta, quando uma política pública já não gera resultados (ou nunca gerou), mas continua a ser executada, todos passamos a viver em uma realidade social triste e desestimulante, mas com a qual vamos, paulatinamente, nos habituando. Muitas vezes os problemas não se resolvem por pura inércia e pela incapacidade de enxergarmos o que está visível. É por isso que cada cidadão precisa manter aceso em si o senso crítico e a capacidade de indignação. Tudo pode melhorar, mas nada acontecerá sem que prestemos atenção ao nosso redor e abandonemos os maus costumes e as zonas de conforto.

Anúncios

4 Comments Add yours

  1. Lair diz:

    Discordo de seu comentário sobre as vagas de TAXI em frente aos bancos, pois lá ainda faltam vagas, se todos chegarem ao mesmo tempo.

    1. Olá Lair, muito obrigado pelo seu comentário.

      O meu argumento não é contra os taxistas, pelo contrário. Só acho que podemos planejar e manejar melhor aquele espaço. Se em algum momento (creio que após a missa, por exemplo) a quantidade de vagas é pouca para o número de taxistas, seria necessário ampliar o ponto. Se em outros momentos (a noite e aos finais de semana, por exemplo) existem vagas ociosas (como no exemplo da foto que ilustra o texto), seria importante flexibilizar a sinalização e permitir que outros carros parem nas vagas desocupadas.

      Abraço,

      Antônio Claret

  2. Silvério diz:

    O que vemos em cidades maiores são vagas demarcadas em vários pontos. Cada um desses pontos com quantidade de vagas limitada. Assim, inexistindo vaga para o taxista em um determinado ponto ele pode parar em outro. Não estou certo mas parece que existem umas 15 vagas demarcadas nessa Praça, nunca ocupadas integralmente e os motoristas. (população) procurando onde estacionar seus veículos.

    1. Pedro diz:

      Poxa será que é quinze vagas?
      De qualquer jeito, é uma intromissão. Pois são essas vagas que impedem que os usuários de veiculo venha ate o centro da cidade?
      Fla serio!!!
      Vamos ser mais realistas e menos críticos!

Obrigado pelo seu comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s