Os símbolos perdidos

IMG_0471_copy

Artigo originalmente publicado no portal barrosoemdia.com.br em outubro de 2011

Uma cidade sem passado não terá futuro. Toda e qualquer sociedade apenas consegue avançar e se desenvolver a partir do reconhecimento de suas origens, aprendendo com seus erros e enaltecendo suas glórias. O reconhecimento da história amplia a noção de pertencimento dos cidadãos a um determinado território e a um determinado grupo social. Por conseqüência, estimula os sentimentos de solidariedade e cooperação, elementos essenciais para o alcance da prosperidade social.

O município de Barroso, apesar de ainda “cidade criança”, possui uma bela história, repleta de conquistas importantes, a começar pela emancipação, e marcada por momentos cruciais de apogeu e decadência econômica. Nosso passado nos fornece lições importantes a serem aprendidas para lidarmos melhor com o presente e com o futuro. Manter viva nossa memória, portanto, é mais que prestar tributo aos nossos antepassados, é uma estratégia inteligente para enfrentar os desafios vindouros.

Em atitude exemplar, a Câmara Municipal vem atuando no sentido de resgatar nossa história e jogar luz sobre fatos e personagens ainda pouco conhecidos pelos nossos conterrâneos. Através do trabalho de pesquisa do brilhante historiador barrosense Wellington Tibério, a história de Antônio da Costa Nogueira, fundador da cidade, pôde ser melhor contada. Como resultado da pesquisa, no mês de agosto deste ano, o Vereador Vanilton de Barros e Wellington estiveram em missão à Freguesia de Vermoim, em Portugal, para estreitar os laços transoceânicos entre a terra de origem e de destino do primeiro habitante e fundador de Barroso.

Esse episódio de sucesso na valorização do nosso passado, entretanto e infelizmente, não se repete com a freqüência que seria desejável, pelo contrário, a regra em nosso município é negligenciar a história. O principal exemplo da forma como maltratamos nosso passado é o estado lamentável em que se encontram símbolos importantes de nossa identidade. Os três principais monumentos da cidade encontram-se completamente abandonados: obelisco; castelinho e forninho.

O obelisco, que representa a emancipação do município, há cerca de 7 anos já não possui mais as placas de bronze com a face dos emancipadores e a sua base encontra-se bastante danificada. O castelinho, que representa os municípios aos quais Barroso pertenceu antes de sua emancipação, encontra-se todo pichado de corretivo. Por último, o forninho, que representa a nossa indústria de cal, está assoreado, sujo e apagado. As praças onde os monumentos se encontram acompanham a decadência, pois falta iluminação, pintura, reforma, limpeza.

A falta de cuidado com nossa história ameaça nossa identidade coletiva. Precisamos comunicar às gerações vindouras e, principalmente, aos imigrantes que dentro em breve chegarão à nossa cidade, sobre quem somos e de onde viemos. É apenas reconhecendo nossa história com propriedade que conseguiremos nos preparar melhor para o futuro. Chegou a hora de recuperarmos os símbolos perdidos de Barroso na expectativa de que possam voltar a ocupar seu lugar de destaque no espaço urbano, inspirando e guiando os barrosenses à caminho do futuro.

——–
Este texto foi publicado há mais de dois anos e até hoje nada mudou. Sobre o assunto, o historiador Tibério falou ao jornal Barroso em Dia nesta semana. Segue sua declaração:


“Nos últimos 25 anos, foi erguida na Praça Gustavo Meireles uma estátua do Padre Luiz e sua estrutura foi edificada em frente ao Obelisco, escondendo o marco zero de nosso município. Uma clara demonstração de péssimo gosto e descaso com os monumentos históricos da cidade. Aliás, por falar em descaso, não há registro nos últimos anos de uma reforma naquela Praça, apenas troca de lâmpadas e pinturas nos bancos. Lamentável”  

Anúncios

One Comment Add yours

  1. Cacá diz:

    E as placas em relevo com os fundadores se perderam? Havia na praça original, um monumento dedicado exclusivamente a eles. Mas os projetos da nova praça, assim como na Praça Santana, foram feitos por forasteiros, sem qualquer preocupação história, apenas estética (duvidosa).

Obrigado pelo seu comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s