ODM6: Combater a AIDS, Malária e Outras Doenças

odm6 1

Artigo originalmente publicado no portal barrosoemdia.com.br em janeiro de 2012

 

O sexto Objetivo de Desenvolvimento do Milênio é combater a AIDS, a Malária e outras doenças. Com a discussão do ODM 6, finalizamos o debate sobre a área temática da saúde em nosso município. Os principais indicadores utilizados para avaliar o alcance do Objetivo são: i) número de casos de AIDS registrados por ano de diagnóstico, segundo gênero – 1990-2009; ii) número de casos de doenças transmissíveis por mosquitos – 1996-2009. Assim como foi possível constatar nas discussões anteriores, no que se refere ao controle específico dessas doenças, a saúde barrosense vai bem.

 

Entre os anos de 1993 e 2010 foram diagnosticados 18 casos de AIDS em Barroso. No mesmo patamar, encontra-se o município de Carandaí, com 19 casos registrados. Nos municípios de São João Del Rei e Barbacena, os primeiros casos da doença foram diagnosticados ainda na década de 1980. Em face do contingente populacional superior, o número absoluto de casos diagnosticados de AIDS é bastante superior nas maiores cidades vizinhas, sendo 190 casos registrados em São João Del Rei, desde 1985, e 204 casos registrados em Barbacena, desde 1987.

 

No que se refere às doenças transmitidas por mosquitos, é importante ressaltar que o Brasil inclui-se entre os países com número elevado de casos de hanseníase e leishmaniose no mundo. Há registros recorrentes de casos dessas doenças em todo o território nacional, ainda que se concentrem em maior número nas regiões Norte e Centro Oeste. A dengue é também uma doença que afeta diversas regiões do país, sobretudo o Sudeste, tendo sido responsável, em anos recentes, por dezenas de casos de óbitos nos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Por sua vez, a Malária é outra doença tropical de alta incidência no Brasil, tendo como vetor a fêmea do mosquito Anopheles, os seus casos se concentram bastante na região amazônica.

 

Entre o ano de 2001 e a última pesquisa, em 2009, não houve registros oficiais de doenças transmitidas por mosquitos em Barroso. No município de Carandaí, em 2009, houve o registro de casos de leishmaniose e 19 casos de dengue foram notificados. Na cidade de Barbacena houve registro de malária; leishmaniose e 69 casos de dengue. Em São João Del Rei houve o registro de malária; leishmaniose e 304 casos de dengue.

 

De forma resumida e direta, a análise dos ODMs 4; 5 e 6 revela uma situação de saúde em Barroso, para toda a última década, bastante positiva. Como foi possível observar nos últimos textos, em praticamente todos os indicadores considerados como fundamentais pela ONU, o município se sobressai em relação aos seus vizinhos, sendo que, na maioria deles, a situação se compara àquela das cidades de maior IDH de Minas e do Brasil. É fato que ainda existem gargalos importantes, como o revelado para a questão da gravidez na adolescência, porém o município já se candidata como exemplo e referência na saúde regional.

 

Faz-se necessário olhar para o futuro e encarar os novos desafios que se avistam no horizonte. No curto e médio prazos, a cidade precisa se preparar para oferecer aos novos contingentes populacionais, imigrantes da expansão industrial, atendimento adequado à saúde. Considerando a característica dos imigrantes, em sua maioria adultos jovens do sexo masculino, a necessidade de investimento para o momento seria fundamentalmente em atendimento médico hospitalar de urgência e emergência, haja vista que os males mais comuns à essa faixa-etária, segundo a Revista Brasileira de Medicina, são: acidentes de trabalho; alcoolismo; uso de drogas; brigas; acidentes de trânsito; entre outros.

 

Para o médio e longo prazos, os desafios estão ligados à transição demográfica e de estilo de vida pela qual o Brasil vem passando. Sem se descuidar de desafios que permanecerão, como desnutrição e outros males relacionados à pobreza, será preciso também enfrentar problemas como: sedentarismo, obesidade e doenças comuns à terceira idade.  O desafio se renova e permanece significativo.  A esperança é de que possamos repetir para os próximos 10 anos o sucesso que obtivemos na década passada, permanecendo como um município exemplar na área temática da saúde. Para que isso aconteça, decisões corretas de investimentos precisam ser tomadas, quanto mais cedo melhor.

Anúncios

Obrigado pelo seu comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s