Diversidade Cultural

diversidade (2) (1)

Artigo originalmente publicado no Portal barrosoemdia.com.br em janeiro de 2011. 

No último final de semana Barroso viveu momentos muito interessantes do ponto de vista sociológico. As apresentações que celebraram a diversidade cultural levaram um bom número de pessoas à praça e marcaram o que pode vir a ser mais uma festa no calendário turístico da cidade. Através da arte, sobretudo da música e da dança, os organizadores objetivaram chamar atenção para as diversidades, não apenas cultural, mas religiosa, esportiva, de idéias e de gênero. Realizações como essas são repletas de significados e se configuram como momentos propícios para a reflexão, tanto sobre os benefícios, como sobre os efeitos perversos das diferentes abordagens sobre o tema.

A cultura é justamente o que nos define enquanto seres humanos. A sociedade se manifesta em nós e nós nela, através da cultura. Cada grupo social possui suas regras, códigos, hábitos, linguagem e uma gama muito variada de elementos que os define e que dá os contornos de sua identidade. Como existem muitos grupos diferentes, existem também muitas tradições, ainda que haja muitas interseções e intervalos entre os costumes.

Os eventos que aconteceram em Barroso nos lembraram que devemos sempre respeitar  o comportamento alheio e que as opções que as pessoas fazem para suas vidas não devem significar a privação dos seus direitos mais elementares. Ainda que sejamos diferentes em determinados aspectos, somos todos iguais no dever de respeitar e no direito de sermos respeitados.

As apresentações artísticas nos lembraram também que não existe diversidade sem tolerância. É somente através da tolerância que conseguimos conviver em paz, no entanto, nem sempre foi assim. Em toda a história, o homem sempre transformou diferença em desigualdade e, por isso, pagaram caro negros, mulheres, homossexuais, judeus, imigrantes e minorias, entre muitos outros. Se hoje vivemos em uma sociedade muito mais plural e tolerante, isso se deveu às iniciativas do passado que valorizaram a diversidade. Por isso a importância e daí o benefício e qualidade da iniciativa de se celebrar a diversidade cultural.

O pesar, que é preciso registrar, deve-se ao fato de o evento não ter se mantido coerente com a proposta em todos os momentos. A música que embalou a maioria das intervenções artísticas no sábado foi um funk carioca do Bonde do Tigrão cuja letra começava com uma discussão entre um casal e terminava com o homem listando os “direitos” da mulher “novinha”, entre eles: “seu direito de sentar; seu direito de rebolar; seu direito de ficar calada”, adiante, em outra música, a mulher cantava: “sou cachorra, faz de mim o que quiser”. Ao som da canção, dançavam também crianças, meninas.

O funk é um ritmo dançante, tradicional, genuinamente brasileiro e que muitos jovens admiram. O problema começa quando os cantores abrem a boca. Em sua maioria, as letras do funk não celebram a diversidade, pelo contrário, fazem o que de pior o homem sabe fazer com o seu semelhante: transformar a diferença em subordinação. Letras como essas criam uma hierarquia entre homem/mulher que não existe, ou não deveria existir. No universo do funk a mulher é objeto, é ‘cachorra’. Não há sensualidade sadia, pois não há respeito, sem respeito não há tolerância e sem essa não pode haver diversidade cultural.

O evento foi muito relevante e espera-se que continue nos próximos anos, porém, é preciso que os organizadores tenham especial atenção sobre as mensagens que estão transmitindo. A cultura se processa o tempo todo através de sutilezas, no jeito de se vestir, de dançar, nas letras das músicas, no humor e no comportamento de modo geral. Para que haja diversidade, as diferentes culturas têm que conviver de modo harmônico e horizontal, com cada um sendo sujeito de si e ninguém sendo objeto de ninguém.

—–

O Evento Diversidade Cultural segue crescendo, felizmente!
A influência do Funk também cresce na cidade, na maior parte do tempo associada a letras e eventos que reforçam preconceitos, subordinação da mulher, uso e abuso de drogas, violência gratuita, etc.
A exceção existe, em 2012 um evento de funk com o cantor Naldo mostrou que é possível curtir o gênero de uma forma menos tosca, menos violenta e com mais melodia. Nos resta esperar que de 2013 em diante esse evento de sucesso sirva de exemplo para os amantes do ritmo e do movimento.

Anúncios

3 Comments Add yours

  1. Edgar Ricardo von Buettner diz:

    Excelente artigo, principalmente, por duas razões: 1ª: Contempla o conceito correto de cultura, quando diz “A cultura é justamente o que nos define enquanto seres humanos. A sociedade se manifesta em nós e nós nela, através da cultura. Cada grupo social possui suas regras, códigos, hábitos, linguagem e uma gama muito variada de elementos que os define e que dá os contornos de sua identidade. Como existem muitos grupos diferentes, existem também muitas tradições, ainda que haja muitas interseções e intervalos entre os costumes.” 2ª: Pela crítica, muito bem fundamentada às letras do funk apresentado! Comparto com o autor a expectativa que os promotores deste louvável evento façam as devidas correções e ajuste e apresentem a próxima edição, já com uma qualidade próxima à perfeição!

  2. Antônio, penso que o verdadeiro líder ai (Biografia de Getúlio) é João Neves da Fontoura. Arrojado, íntegro, idealista e coerente. E chama-me a atenção a juventude e inteligência de Osvaldo Aranha. Getúlio, bem, já se conhecia. Oportunista, titubeante e, por isto, pragmático. Penso que Getúlio se beneficiou da conjuntura da época: Falência do ciclo do café e sua influencia político-eleitoral. Que, infelizmente, na América LAtina, levou ao populismo e caudilhismo, agora recrudescente. A história segue……………

  3. Caro Edgar, obrigado pelos elogios e pelo comentário crítico que contribui muito com o argumento hora apresentado. Estamos de acordo com algo muito importante: diversidade cultural não rima e não deve rimar com exclusão e humilhação.

    Luciano, concordo plenamente com a sua análise da biografia de Getúlio. João Neves foi realmente o grande líder por detrás das principais conquistas de Getúlio, em especial da Revolução de 1930. Fico imaginando a decepção que ele não deve ter sentido quando Getúlio o nega o Governo do Rio Grande do Sul. Infelizmente, como ambos sabemos, a política tem muito dessas coisas, inclusive e especialmente em Barroso. A história segue…

Obrigado pelo seu comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s